Novidades

Empregada temporária não tem direito à estabilidade conferida à gestante

25/11/2019

Na última semana, o plenário do Tribunal Superior do Trabalho (TST) firmou entendimento de que empregada gestante, contratada sob o regime de trabalho temporário, não tem direito à estabilidade prevista no art. 10 do ADCT – período entre o início da gravidez e o quinto mes após o parto. O trabalhador temporário é aquele que presta serviço a uma empresa para atender à necessidade provisória, como o aumento imprevisto de serviço ou substituição de pessoal. Nesse sentido, o TST entendeu que o reconhecimento da garantia de emprego à empregada gestante não tem nenhuma relação com a finalidade do contrato previsto na Lei 6.019 (Lei do Trabalho Temporário), que visa atender situações excepcionais, para as quais há expectativa de encerramento da relação após o termino da vigência do contrato temporário. A tese tem efeito vinculante e pode ser aplicada em processos que ainda não transitaram em julgado.

Se você ou a sua empresa atualmente possui demandas envolvendo o assunto, a nossa área trabalhista está à disposição para auxiliá-los na análise dos impactos trazidos pela recente decisão do TST.

Compartilhe nas redes sociais

Facebook
Twitter
LinkedIn
Trench Rossi Watanabe
São Paulo
Rua Arq. Olavo Redig de Campos, 105
31º andar - Edifício EZ Towers
Torre A - 04711-904
São Paulo - SP - Brasil

Rio de Janeiro
Rua Lauro Muller, 116 - Conj. 2802
Ed. Rio Sul Center - 22290-906
Rio de Janeiro - RJ - Brasil

Brasília
Saf/s Quadra 02 - Lote 04 - Sala 203
Ed. Comercial Via Esplanada - 70070-600
Brasília - Distrito Federal - Brasil

Porto alegre
Av. Soledade, 550
Cj. 401 - 90470-340
Porto Alegre - RS - Brasil

Imprensa
JeffreyGroup
Nara Neri 55 11 3185.0800 | Ext.832
Cauê Rebouças 55 11 3185.0800 | Ext.832