Novidades

Convenção sobre a Eliminação da Exigência de Legalização de Documentos

12/08/2016

Convenção de Haia

A Presidência da República publicou no Diário Oficial da União, em 29 de janeiro de 2016, o decreto nº 8.660/2016, promulgando a Convenção sobre a Eliminação da Exigência de Legalização de Documentos Públicos Estrangeiros, firmada em Haia, em 5 de outubro de 1961 (“Convenção”).

Este decreto passará a vigorar em 14 de agosto de 2016, simplificando o trâmite internacional de documentos entre o Brasil e os demais 111 países que já aplicam a Convenção. A adesão do Brasil à Convenção da Apostila garantirá significativa redução do tempo de processamento e dos custos para cidadãos e empresas, e tornará mais simples a utilização de documentos brasileiros no exterior e de documentos estrangeiros no Brasil, tais como certificados, procurações, certidões notariais, entre outros. Tais apostilas serão aceitas em todo o território nacional a partir de tal data, em substituição à legalização diplomática ou consular, inclusive com relação àqueles documentos emitidos em data anterior à vigência da referida Convenção no Brasil.

Os documentos que se enquadram neste novo decreto são (a) Documentos provenientes de uma autoridade ou de um agente público vinculados a qualquer jurisdição do Estado, inclusive os documentos provenientes do Ministério Público, de escrivão judiciário ou de oficial de justiça; (b) Documentos administrativos; (c) Atos notariais; e (d) Declarações oficiais apostas em documentos de natureza privada, tais como certidões que comprovem o registro de um documento ou a sua existência em determinada data, e reconhecimentos de assinatura.

Entretanto, a Convenção não se aplica aos documentos emitidos por agentes diplomáticos ou consulares; ou aos documentos administrativos diretamente relacionados a operações comerciais ou aduaneiras.

A legalização, cuja exigência deixará de existir para os fins a que propõe a convenção, é a formalidade pela qual os agentes diplomáticos / consulares do país no qual o documento deve produzir efeitos atestam a autenticidade da assinatura, função ou cargo exercidos pelo signatário e, quando aplicável, a autenticidade de seu selo ou carimbo.

Em regra, procedimentos de legalização tendem a ser lentos, complicados e caros em razão do número de autoridades e o excesso de burocracia envolvidas. Com a promulgação e a adoção do sistema previsto na Convenção, denominado apostille (apostila), a circulação de documentos públicos e privados, certificados por notários públicos, entre países contratantes da Convenção será simplificada.

A não ser em situações nas quais os dois ou mais Estados contratantes já possuam regulamentos ou costumes que simplifiquem ou dispensem a legalização (por exemplo, nos casos dos tratados entre Brasil-Argentina e Brasil-França), o texto da convenção prevê que a única formalidade que poderá ser exigida para atestar a autenticidade dos documentos consistirá na aposição da apostille (apostila) a ser emitida pela autoridade competente do Estado originário do documento após a notarização.

A apostila será emitida a requerimento de quem portar o documento original. Este serviço será prestado, no Brasil, por todos os Cartórios localizados nas capitais do país. Fora das capitais, o cartório deverá fazer um pedido específico para à Corregedoria Nacional de Justiça.

Devidamente preenchida, a apostila atestará a veracidade da assinatura, a qualidade em que agiu o signatário do ato e, sendo o caso, a autenticidade do selo ou do carimbo que constam do ato. A assinatura, o selo ou carimbo que figurarem sobre a apostila são dispensados de qualquer reconhecimento.

Estima-se que este procedimento de apostila será feito em menos de dez minutos, através da implantação do Sistema Eletrônico de Informação e Apostilamento (SEI Apostila). O documento receberá um QR Code por meio do qual será possível ter acesso ao documento original aceito em quaisquer dos países signatários da Convenção. Este é um ponto importante que difere da legalização por meio da consularização, uma vez que o documento era aceito apenas no país cujo Consulado que o legalizou deveria fazer efeito.

A adesão à Convenção da Apostila de Haia será um grande passo para desburocratização, facilitando procedimentos de validação de documentos para concorrências públicas, bem como a participação de empresas brasileiras no exterior. Hoje qualquer empresa estrangeira que queira participar de uma licitação no Brasil tem de ir ao notário local, em seguida à chancelaria e posteriormente ao consulado.

Com a adesão do Brasil, será também dispensada a legalização de documentos públicos provenientes dos países signatários à Convenção, isto é, não será mais necessário submetê-los ao processo de notarização e consularização no exterior, a fim de torna-los válidos no Brasil.

A apostila proveniente do exterior é transcrita nos idiomas inglês, francês e espanhol. Segundo as informações recebidas dos cartórios brasileiros até o momento, não é necessário realizar a tradução juramentada ou certificação de consistência dos três idiomas, bastando a tradução de um dos idiomas sem qualquer referência às demais línguas.

Débora Cabral
Nazir Takieddine

Compartilhe nas redes sociais

Trench Rossi Watanabe
São Paulo
Rua Arq. Olavo Redig de Campos, 105
31º andar - Edifício EZ Towers
Torre A - 04711-904
São Paulo - SP - Brasil

Rio de Janeiro
Rua Lauro Muller, 116 - Conj. 2802
Ed. Rio Sul Center - 22290-906
Rio de Janeiro - RJ - Brasil

Brasília
Saf/s Quadra 02 - Lote 04 - Sala 203
Ed. Comercial Via Esplanada - 70070-600
Brasília - Distrito Federal - Brasil

Porto alegre
Av. Soledade, 550
Cj. 401 - 90470-340
Porto Alegre - RS - Brasil

Imprensa
JeffreyGroup
Nara Neri 55 11 3185.0800 | Ext.832
Cauê Rebouças 55 11 3185.0800 | Ext.832