Novidades

TCU determina que a ANTAQ regule as atividades dos armadores estrangeiros na navegação de longo curso

11/07/2016

Em junho de 2016, o Tribunal de Contas da União (“TCU”) julgou que a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (“ANTAQ”) vinha se omitindo na fiscalização e na regulação dos armadores estrangeiros na exploração da navegação de longo curso no Brasil.

De acordo com o entendimento da ANTAQ, a Lei de Transportes Aquaviários determina que a navegação de longo curso é aberta a empresas de navegação de todos os países, independente de autorização, observados apenas os acordos firmados pela União atendendo ao princípio da reciprocidade.

No entanto, o TCU considerou evidente a omissão da ANTAQ na regulação deste tipo de transporte, caracterizada (i) pela ausência de outorga de autorização aos armadores estrangeiros, (ii) pela ausência de normativos que regulem a prestação e/ou punam condutas abusivas, e (iii) pela própria falta de conhecimento, dados e informações acerca do mercado de fretes por parte da Agência, impedindo-a de coibir conluios e abusos de cobranças de fretes, taxas de movimentação no terminal (Terminal Handling Charges – THCs) e extrafretes dos usuários brasileiros.

Diante das irregularidades apontadas, o TCU determinou que a ANTAQ institua, em 90 (noventa) dias, procedimento que ateste e assegure que as empresas de navegação estrangeiras que atendem aos portos brasileiros estão enquadradas nos acordos firmados pela União, atendido o princípio da reciprocidade, por meio de outorga de autorização ou outro ato administrativo com esse fim, dando ampla publicidade acerca dos países que atendem as condições constitucionais e legais.

O TCU também determinou que a ANTAQ apresente, no mesmo prazo, plano de ação voltado à regulação, ordenação e supervisão da navegação de longo curso nos portos brasileiros, de forma a permitir o controle dessa atividade, contemplando, dentre outras questões que considere pertinentes: o registro de armadores estrangeiros; o registro de preços de frete, extrafrete e demais serviços; estudos comparativos de rotas e preços praticados pelos armadores estrangeiros; e normas para aplicação de sanção aos armadores estrangeiros em caso de omissões injustificadas de portos.

A ANTAQ recorreu da decisão afirmando que tem feito esforços para aprimorar a regulação e que há uma proposta de norma de 2015 em discussão que prevê a regulação da navegação de longo curso por armadores estrangeiros, sem a necessidade de outorga de autorização. A Agência também afirma que busca fixar parâmetros e indicadores de serviços adequados para que esta atividade seja prestada de forma adequada. O recurso está pendente de decisão.

Bernardo do Amaral Pedrete
Danielle Gomes de Almeida Valois
Felipe Noronha Ferenzini
Heloísa Barroso Uelze
Julia Medina Gomes

Compartilhe nas redes sociais

Trench Rossi Watanabe
São Paulo
Rua Arq. Olavo Redig de Campos, 105
31º andar - Edifício EZ Towers
Torre A - 04711-904
São Paulo - SP - Brasil

Rio de Janeiro
Rua Lauro Muller, 116 - Conj. 2802
Ed. Rio Sul Center - 22290-906
Rio de Janeiro - RJ - Brasil

Brasília
Saf/s Quadra 02 - Lote 04 - Sala 203
Ed. Comercial Via Esplanada - 70070-600
Brasília - Distrito Federal - Brasil

Porto alegre
Av. Soledade, 550
Cj. 401 - 90470-340
Porto Alegre - RS - Brasil

Imprensa
JeffreyGroup
Nara Neri 55 11 3185.0800 | Ext.832
Cauê Rebouças 55 11 3185.0800 | Ext.832